Criança agride professora com tesoura em escola de Goiânia

Segundo o Conselho Tutelar, menino de 9 anos possui um transtorno psicológico e precisa de terapia adequada. Aluno relatou que não se lembra de ter atacado a mestre.

Por Administrador 14/12/2017 - 15:57 hs

Criança agride professora com tesoura em escola de Goiânia
Aluno agride professora com tesouradas em escola de Goiânia (Foto: Conselho Tutelar/ Divulgação)

Um aluno de 9 anos agrediu uma professora com uma tesoura no Colégio Municipal Santo Antônio, no Setor Asa Branca, em Goiânia. Segundo o Conselho Tutelar, ele já havia machucado outros colegas anteriormente e será transferido de escola.

“A tesoura não tinha ponta, mas ela ficou com marcas nos braços, no abdômen, na perna. Ele só parou porque juntaram três funcionários da escola pra contê-lo”, disse ao G1 o conselheiro tutelar Valdivino Silveira, que acompanha o caso.

A agressão aconteceu por volta das 17h de terça-feira (12), na sala do 3º Ano do ensino fundamental. Silveira contou que o menino possui um transtorno mental, que ainda não foi definido pelos médicos. O aluno revelou ao profissional que não se lembra quando atacou a professora com a tesoura nem de jogar cadeira contra os colegas.

 

“Ele surta e se não lembra o que aconteceu. O que ele me falou ontem é que ele escuta uma voz falando para ele fazer o mal para determinada pessoa, e ele faz", explicou o conselheiro.

 

Outro conselheiro, Bruno Souza afirma que o menino também enfrenta desestrutura familiar. “Ele é uma vítima também. Ele é filho de pai e mãe viciados em drogas. O pai está preso. A mãe deixou ele com 1 ano de idade com a avó e sumiu, ninguém sabe onde ela se encontra. A criança já foi acolhida, voltou para a avó, que tinha um vício em álcool também e ficou internada por amor ao neto, mas não está dando conta de cuidar dele”, contou.

 

Providências

 

Silveira disse que já está providenciando a transferência da criança para outra escola pela própria segurança dela e pelo medo dos colegas de sala. O conselheiro também pedirá um acompanhamento médico mais eficaz para o aluno.

“Vamos encaminhar um relatório ao Juizado da Infância e Juventude cobrando que tome providências relacionadas ao tratamento de saúde da criança, que estava sendo feito, mas não estava sendo feito de maneira adequada”, afirmou.


A Secretaria Municipal de Educação informou que "está acompanhando o caso e que não houve lesão corporal grave a nenhum funcionário ou aluno da instituição mencionada. Vale ressaltar que o atendimento na escola está mantido dentro da normalidade e que, em parceria com o Conselho Tutelar, a secretaria buscará a melhor alternativa para efetivar os cuidados especiais que a criança requer".






g1